A Economia como Ciência Social

A Economia analisa a dimensão económica da realidade social, constituindo os fenómenos económicos uma abstracção dessa realidade (Manual, pp. 29).

  • Uma coisa é a economia enquanto um processo social, que compreende as relações quotidianas concretas e complexas que os homens estabelecem entre si para assegurar suas condições materiais de existência. Outra coisa é o estudo que se faz desse mesmo processo social. Apenas para fins didácticos, pode-se convencionar que o processo económico é a economia (com ―”e” minúsculo, o seu objecto real) e o estudo sistemático dele, uma ciência, é a Economia (com ―”E” maiúsculo, o seu objecto científico). Com o que lida, então, a Economia?

    Qual o seu objecto?

    Embora aparentemente a resposta seja simples, não é. A ponto de haver uma anedota em que se afirma que num debate envolvendo dois economistas, as respostas para uma mesma pergunta costumam ser em número superior a duas; ou seja, um economista não se entende nem consigo próprio...

    Preconceitos à parte, é possível compreender que não há problema nenhum em um cientista social, como é o caso do economista, ter mais de uma resposta para um mesmo problema, pois no interior de uma mesma ciência podem haver escolas de pensamento divergentes, permitindo diferentes explicações para um mesmo fenómeno.

    Assim encarado, o facto de dois economistas oferecerem sete respostas para uma mesma pergunta revela o seu conhecimento de múltiplas abordagens de um mesmo assunto, enriquecendo-o e permitindo atacar o problema em questão a partir de diversos flancos.

    Mas onde fica a objectividade?, poderão perguntar alguns. No mesmo lugar de onde nunca deveria ter saído no campo das ciências sociais, área de pesquisa em que o objecto real estudado é o ser humano em sociedade, um ser que pensa e cria, não sendo, portanto, passível de observação laboratorial como as reacções químicas ou os fenómenos físicos. Quando se diz: ―todo objecto lançado para cima retorna ao solo, estamos afirmando a inexorável lei da gravidade, que nunca falha. Quando se diz: ―mantida constante a oferta, se a procura por uma mercadoria aumentar, o preço subirá, estamos utilizando as Leis da oferta e da procura, que de facto falham em muitas circunstâncias.

    Por quê? Porque o ser humano, como consumidor ou produtor (ou, em outras palavras, como agente económico), não age sempre da mesma maneira diante das situações e dilemas que a luta pela sobrevivência lhe impõe. Apesar disso, é possível traçar um perfil típico dos seres humanos no seu comportamento económico. É isso que faz a Economia: cria tipos ideais, como o consumidor racional (que paga maior preço por produtos mais escassos e vice-versa) e o produtor racional/ganancioso (que produz mais estimulado por maiores preços). A partir desses tipos, a Economia monta os seus modelos (sistemas estilizados de raciocínio que procuram representar a realidade, que constituem o seu objecto científico), que jamais poderão chegar à exactidão obtida pela Química e por outras Ciências Naturais, que explicam factos demonstráveis a partir de experiências laboratoriais capazes de captar leis que se repetem sempre que reunidas determinadas circunstâncias, enquanto frequentemente pretendemos aplicar a realidades novas e apenas parcialmente conhecidas, as Leis da Economia. Sem compreender esse facto não pode haver esperança de que os economistas sejam perdoados pelas suas divergências e falhas nas previsões.

    Na medida em que se compreende qual o objecto da Economia e se adquire clareza de que ela é uma ciência social e não uma ciência exacta, como muitos pensam ser, devido à sua possibilidade de quantificação dos fenómenos com que lida (trata-se da ciência não exacta com maiores possibilidades de recorrer a técnicas quantitativas para se exprimir), torna-se mais fácil perceber os limites e possibilidades dessa que é, actualmente, fonte de um tipo de conhecimento dos mais úteis, desejáveis e, em muitos casos, perigosos.

    Como, vivendo em sociedade e dependendo uns dos outros, os indivíduos conseguem gerar e dividir entre si os bens e serviços necessários ao seu bem-estar social? Esta é a pergunta a que a Economia procura responder. Como as condições objectivas nas quais os homens se envolvem para produzir e distribuir os bens e serviços são mutáveis e diferentes de região para região geográfica, é de se esperar que a Economia tenha que se manter viva e adaptável para não perder a sua pertinência. Apesar disso, ela mantém uma coerência interna quando não se desvia de seu objecto: a eterna necessidade humana de evitar que a escassez elimine a vida ou a torne demasiadamente pouco apreciável.

    Texto Adaptado de PARA ENTENDER A RIQUEZA, Uma introdução à cultura económica


1. Explica porque é que o estudo dos fenómenos económicos constitui uma abstracção da realidade.

2. Justifica a multiplicidade de possíveis “soluções” para o mesmo “problema económico”.

3. Distingue o objecto real do objecto científico da Economia.

4. Justifica a Economia como Ciência Social.

Sem comentários: