Exame de Economia A - Prova 712

Quinta-feira, 27 de Junho, às 09:30, inicia-se o exame. (Calendário de exames 2019)
Já sabem que é necessário indicar a versão da prova, apenas podem escrever a azul ou preto, e não podem utilizar corrector.
Não é permitido o uso de calculadoras gráficas, nem das alfanuméricas ou programáveis. Apenas são admitidas calculadoras científicas. Leiam o Ofício de 2019.

Para mais detalhes leiam as Informações da Prova no IAVE.

Exames de Economia A - 2018

Fonte: JN.

Somos a melhor escola pública do concelho! Agradecemos o resultado aos nossos alunos, especialmente aos assíduos ao GAE, que até se divertiam com as questões de exame! Outros jornais apresentam resultados que nos são menos favoráveis porque integraram alunos externos/autopropostos nos cálculos da Classificação Média dos Exames.


Análise Económica da Conjuntura III (2018)

1. Comente a convergência/divergência de Portugal relativamente à Área Euro, de 2016 até à actualidade, com base nos indicadores de Contas nacionais, mercado de trabalho e inflação do BdP.

2. Comente a convergência/divergência de Portugal relativamente à Área Euro, de 2017 a 2020, com base nas Projecções económicas do BdP.

3. Utilizando o site Portugal Desigual identifica:
3.1. QUEM MAIS PERDEU COM A CRISE?
a) Pela distribuição do rendimento por decis;
b) Por grupos etários;
c) Por nível de escolaridade.
3.2. A CRISE FOI PIOR EM PORTUGAL DO QUE NA EUROPA?
a) Comente Portugal no contexto da Área Euro, utilizando o Índice de Gini.
3.3. DESIGUALDADE E POBREZA SÃO O MESMO?
a) Comente a relação entre a Taxa de pobreza e o Coeficiente de Gini.


Imagens

Análise Económica II (2018)

Nas Contas Nacionais, o Quadro A.0.1 - Principais indicadores económicos (anual) sintetiza a evolução da economia portuguesa no período 2013/17.

1. Indica o ano em que o PIB:
- cresceu mais rapidamente
- cresceu mais lentamente
- caiu mais lentamente
- caiu mais rapidamente

2. Recordando a estrutura da despesa em 2014, indica como se calcularam os contributos, em pontos percentuais, do Consumo Privado e do Consumo Público em 2015.

3. Em 2015, interpreta o contributo para a variação do PIB, em pontos percentuais, das seguintes rubricas:
- Consumo privado
- Consumo público
- Formação bruta de capital
- Exportações
- Importações

4. Que relação se verifica entre os contributos para a variação do PIB e a tcv do PIB.

5. O valor Capacidade (+) /necessidade (-) líquida de financiamento do Resto do Mundo é o simétrico do apresentado para o Total da economia. Justifica.

6. Identifica as duas rubricas que mais contribuem para o crescimento do PIB no período de 2014 a 2017. Justifica.

7. Constrói e interpreta um gráfico que apresente as taxas de variação real do Consumo Privado e do Rendimento disponível bruto das famílias e ISFLSF.

8. Constrói e interpreta um gráfico que apresente as taxas de variação nominal das Remunerações e dos CTUP, Custos do trabalho por unidade produzida (CTUP nominal).

9. Constrói e interpreta um gráfico que apresente as taxas de variação real do PIB e das componentes da Procura Global.

10. Constrói um gráfico para estudar a relação entre a variação das remunerações e da produtividade do trabalho. A que conclusão se chega?

II
Estudo da relação entre Valores nominais, Taxas de variação, Pesos, Contributos e Pontos percentuais tomando como exemplo as exportações de bens.
Para a rubrica Máquinas, em 2006, interpreta:
a) Valor nominal;
b) Taxa de variação:
c) Peso;
d) Pontos percentuais.

Carga fiscal aumenta para 34,7% do PIB – 2017

Recurso

O INE apresenta um destaque em que comenta a evolução recente da carga fiscal.

Tarefa

I Parte

Copia para o blogue o Resumo do destaque, e inclui ao longo deste, as sete (2 gráficos e 5 quadros) imagens do PDF que sustentam as respectivas afirmações.
NOTA: Assinala nas imagens os valores referidos no texto.

II Parte

1. Admitindo que Portugal deseja aproximar a sua fiscalidade da média da UE, indica que impostos deverá descer/subir?

2. Apenas relativamente aos seis países fundadores da UE (CEE, 1957), compara Portugal com estes, quanto ao peso das contribuições sociais efectivas na carga fiscal.


Correcção