Efeito substituição e efeito rendimento

O efeito global de uma subida (descida) de preço do bem X pode ser decomposto em dois efeitos: (1) o efeito substituição que indica a redução (o aumento) na quantidade procurada de X, resultante da subida (descida) de preço de X, que torna os bens substitutos mais (menos) atrativos; e (2) o efeito rendimento que indica a redução (o aumento) da quantidade procurada de X resultante da redução (do aumento) do poder de compra causada(o) pela subida (descida) de preço do bem X.

Considere uma família, que apenas consome dois bens: X e Y. Dado o seu rendimento e os preços dos produtos, a recta ab define a sua restrição orçamental, isto é, o conjunto de combinações de X e Y que poderá adquirir. Tendo em consideração as suas preferências, suponha-se que a família escolhe inicialmente o ponto 1 ( Ov de Y e Os de X). Admita-se agora que o preço do bem X baixa, ceteris paribus (ie., permanecendo os restantes factores constantes). A recta de orçamento ac indica o novo conjunto de possibilidades abertas à família. Se escolher a combinação 2 (0t de Y e 0u de X), de entre todas as que se lhe apresentam, consumirá mais de X e de Y.

Imagine-se uma redução do rendimento que permitiria à família comprar o mesmo cabaz de bens que adquiria na situação 1. Isso corresponderia a uma nova restrição orçamental, passando por 1, a’c’. A família pode deslocar-se de 1 para qualquer ponto situado em a’c’, por exemplo, para o ponto 3. A variação da quantidade adquirida de X (de 0s para 0w) sw define-se como o efeito de substituição, que é o efeito apenas resultante de uma variação dos preços relativos. De modo geral, espera-se que a família compre mais do produto relativamente mais barato, X, e menos do relativamente mais caro, Y.

Graficamente, a restrição orçamental afastou-se paralelamente a si própria, até regressar à posição inicial. Neste movimento mantem-se constantes os preços relativos dos bens, representando unicamente alterações do rendimento. Define-se como efeito de rendimento o movimento da posição intermédia, 3, para a posição final, 2; como os preços relativos se mantêm constantes e o rendimento familiar aumenta, compra-se mais wu de X.

É claro que na prática a família desloca-se directamente do ponto 1 para o ponto 2. Contudo, a teoria afirma que a procura é função dos preços relativos e do rendimento real. A redução do preço monetário de um produto, reduz o seu preço relativo e aumenta o rendimento real. O que se fez aqui foi discriminar os efeitos de ambas as variações.

1. Relacione o efeito substituição com o declive da curva da procura.
2. Na análise gráfica acima supõe-se que os bens são normais ou inferiores? (*) Justifique.
3. Desenhe uma imagem que represente o efeito de substituição e o efeito rendimento supondo que X é um bem inferior.

II

Faça uma apresentação no Google Drive, resumindo a teoria da procura em 6 slides com os seguintes títulos:
1. Definições: O volume da procura como quantidade desejada e como fluxo
2. Da Função procura à Curva da procura
3. Variação da procura: Definição
4. Aumento e redução da procura: Definição
5. Exemplo de aumento da procura quando sobe o preço de um sucedâneo
6. Exemplo de redução da procura quando sobe o preço de um complementar


(*) Nos bens normais a sua procura varia directamente com o rendimento. Isto é, quando o seu preço aumenta, o efeito substituição leva os consumidores a desejarem menos o produto, optando por sucedâneos, coerentemente com a lei da procura.
No caso dos bens inferiores – ou bens de Giffen - a sua procura varia inversamente com o rendimento, violando a lei da procura.
O economista vitoriano Sir Francis Giffen supõe ter observado o exemplo real mais citado. Durante a fome irlandesa de batata no século XIX, como o preço da batata aumentou, os consumidores empobrecidos tinham pouco dinheiro para alimentos mais nutritivos, mais caros, como a carne (efeito rendimento). Assim, mesmo que eles preferissem comprar mais carne e menos batatas (efeito de substituição), a falta de dinheiro levou-os a comprar mais batatas e menos carne.

DICA PARA A QUESTÃO 3

Sem comentários: