Taxa de câmbio

Adoptando taxas de câmbio flexíveis, o banco central não intervém no mercado cambial.

A taxa de câmbio irá ajustar-se para equilibrar o mercado, fazendo com que a procura e a oferta de moeda estrangeira se equilibrem.

Com taxas de câmbio flexíveis, a ausência de intervenção implica uma balança de pagamentos equilibrada. Qualquer défice na Balança Corrente se traduzirá em escassez de divisas, que aumentará a taxa de juro. Então, o défice corrente deverá ser financiado por entrada privada de capital, e qualquer superavite corrente originará saídas de capital. Os ajustamentos na taxa de câmbio asseguram que a soma das contas corrente e de capital sejam iguais a zero.

Qual seria o efeito de um aumento de impostos sobre a balança de pagamentos, supondo taxas de câmbio flexíveis e perfeita mobilidade do capital?



Portugal encontra-se integrado na Zona Euro, tendo relativamente a estes países uma taxa de câmbio fixa. Como as taxas de câmbio não oferecem margem de variação, quando os preços e os rendimentos internos ficam desajustados entre os países, qualquer desequilíbrio no produto ou no emprego dos europeus tem tendência a ser corrigido através da variação dos níveis de preços internos. Isto é, adoptada uma taxa de câmbio fixa, os países enfrentam um facto incontornável: o produto e o emprego reais têm de se ajustar para assegurar que os preços relativos continuem alinhados com os dos parceiros comerciais.

Para compreender o efeito do défice da Balança de Pagamentos portuguesa relativamente à Alemanha, leia o nome destes países no esquema seguinte, em vez dos EUA e Inglaterra.



1. Construa o mecanismo de ajustamento de Hume para representar o que estará a suceder na actualidade entre Portugal e a Alemanha.

2. Utilizando os argumentos expostos neste post, e os recursos abaixo problematize a participação de Portugal da Zona Euro construindo uma apresentação com quantos slides entender.



Recursos

TEXTO SÍNTESE

ESQUEMA

CGD - a solução para a crise financeira portuguesa?

Eurocrise: uma outra perspectiva, Vítor Bento

A máquina de criar dívida

A máquina de criar dívida - Texto parcialmente reciclado

Sem comentários: